“Dói né? Precisar de uma pessoa que não precisa de você.”
Fernanda Gomes.    (via evidencias)

“Não me agrada disputar atenção. Eu sempre vou ser a pessoa que perde, entende? A pessoa deixada, substituída, desinteressante. Não, isso não é complexo, não: é estatística. Tenho vida afora muitas provas disso e não reclamo, não interprete isso como uma reclamação. Apenas quero contar que jogo a toalha antes de entrar no ringue, por assim dizer. Jogo o meu corpo para o lado por conta própria antes de levar o soco e precisar de maca, remédios e recuperação. Já nem entro mais nas disputas; eu perdi o ar de tanto tentar.”
Camila Costa. (via poetas-do-silencio)

“Despiu-se lentamente. Abriu o chuveiro e deixou que a aguá morna corresse farta por todo o corpo, na esperança de talvez lava-lo por dentro, limpando aquela tristeza tão imensa.”
A Marca de uma Lágrima.  (via unhopedd)

“Vou andando até em casa. Eu preciso pensar. Na verdade, eu preciso não pensar. Tenho medo de descobrir coisas que não quero. Mas não tem jeito, sempre quando eu acabo vindo, no dia seguinte eu me sinto flácida, murcha, vazia, embrulhada e guardada numa gaveta.”
Gabito Nunes. (via quedoceseja)

“E eu, mais uma vez, olho para o lado morrendo de saudades dessa coisa que eu não sei o que é.”
Tati Bernardi. (via ser-sincero)

“Fumarás demais, beberás em excesso, aborrecerás todos os amigos com tuas histórias desesperadas, noites e noites a fio permanecerás insone, a fantasia desenfreada e o sexo em brasa, dormirás dias adentro, faltarás ao trabalho, escreverás cartas que não serão nunca enviadas, consultarás búzios, números, cartas e astros, pensarás em fugas e suicídios em cada minuto de cada novo dia, chorarás desamparado atravessando madrugadas em tua cama vazia, não conseguirás sorrir nem caminhar alheio pelas ruas sem descobrires em algum jeito alheio o jeito exato dele, em algum cheiro estranho: o cheiro preciso dele.”
Caio Fernando Abreu. (via ser-sincero)